“Vocês não sabem o que estava se passando no resto da minha vida. Em casa. Nem mesmo na escola. Não sabem o que se passa na vida de ninguém, a não ser na de vocês. E quando estragam parte da vida de uma pessoa, não estão estragando apenas aquela parte. Infelizmente, não da pra ser tão preciso e seletivo. Quando você estraga a parte da vida de alguém, você estraga a vida toda dessa pessoa. Tudo… é afetado.”

Os 13 Porquês.    (via alvorado)

Duas semanas e três dias

É a despedida, Peter!(?)

Eu não posso me deitar e esperar a vida passar. Não adianta ficar tentando imaginar suposições.. Suposições de como teria sido se tudo tivesse sido diferente, se eu tivesse tido outra escolha. E isso tudo me intriga. “E se?”. Isso me bagunça. Poderia ser mais fácil. Eu poderia caminhar pela rua normalmente sem tropeçar em algo que me lembre você a cada passo que dou. Sem cair nas lembranças e sem me deixar levar pela saudade.

De repente, a raiva e a mágoa não fazem mais sentido. Com o tempo, tudo isso passa e a única coisa que permanece, é a saudade. Aliás, a saudade e o amor, porque, apesar de tudo, Peter, eu te amo. Eu te disse que amaria por toda a minha vida e eu continuo te amando, infelizmente talvez. Sei que não na mesma intensidade, não com a mesma força, mas eu ainda amo você. 

Só sei que eu não posso parar. O mundo não para de rodar para esperar que você fique bem e é isso que vou fazer, Peter. Afinal, não existe suposições. Não existe outro caminho e nem mesmo outras escolhas. Fim. Aqui é a ultima parada e é preciso descer, mesmo que eu não me sinta pronta ainda. Todos esses dezessete dias parecem eternidades sem fim e por mais cedo que pareça, nós dois sabemos que não é. No fim, Peter, você tinha razão. Tudo acabou já faz um tempo e a unica solução é guardar o melhor de nós na lembrança. 

Que fique contigo o som da gargalhada que eu soltava todas as vezes que você imitava personagens engraçados pelo telefone. Que você sinta saudade das vezes em que eu dizia que você me completava de uma forma absurda. Que você entenda o porque de ter me amado um dia, já que eu mesma nunca entendi. Que te excite lembrar dos  gemidos baixos que você me arrancava nas madrugadas. Que te alegre saber que estou bem e que eu possa, um dia, te dizer que estou realmente bem.

Sinto lágrimas molhando o meu rosto agora, Peter. É a primeira vez que eu choro acho que desde o dia que você foi embora de vez e não sei, mas acredito que seja bom. É bom saber que estou viva, que ainda sinto. Que a raiva, a mágoa, a dor foi embora. E que pra mim, Peter, vale muito mais lembrar das noites em que fomos amantes e melhores amigos do que das noites em que travamos uma verdadeira batalha.

Talvez amanhã a raiva volte e eu continue te odiando por todas as merdas que eu fiz, afinal, eu sou uma montanha-russa de sentimentos e você me deixa bagunçada e ainda mais oscilante. Mas amanhã é amanhã, hoje é hoje. E você sabe.. Eu sempre fiz o que quis no momento que quis fazer. Era só isso. Eu não posso me esquecer que eu continuo sendo Clarisse, com ou sem você, Peter. Eu continuo sendo eu e eu preciso ser o que fui antes de ter você bagunçando minha pequena mente. Aliás, nunca irei te perdoar por isso, vale lembrar.

Enfim, estou aberta para novos sabores, para conhecer novas pessoas e viver novos amores. Estou aberta para coisas diferentes, para dias mais alegres. Estou fechada para Porto Alegre, para super-heróis e para você, Peter. Estou fechada para tristeza. 

Guarde o melhor de nós dois na lembrança. Nós nunca tivemos algo que fosse dar certo, mas arriscamos. Não, eu não me arrependo.

Ps. Eu te amo.

                                                     Os meus dias sem Peter

meu cérebro é mais ou menos assim: “ahh, que saudade… que saudade o que, vai se foder”

“O problema é que eu te espero e você nunca vem.”

Roma, 1994. (via alvorado)
“Se eu sinto saudades? Claro que sinto, e muito. Mas do mesmo jeito que eu tenho saudades, também tenho orgulho.”

Marcello Henrique.  (via alvorado)
“Algumas coisas parecem ser impossíveis pelo simples fato de não serem tentadas.”

Bruna Brandão. (via recontador)
“Li esses dias uma frase que era tipo assim “a gente tinha tudo pra dar errado, e deu certo”. Tentei te encaixar no meio dessa frase, e dei risada porque por essa frase pra nós dois, é o mesmo que contar uma piada. Stubb, ainda não aprendi a ser imatura o suficiente pra entender o seu jeito. E você ainda procura um pouquinho de maturidade pra entender o meu. Você por acaso sabe fazer alguma coisa dar certo? Acho que sua sina é dar errado, Stubb. E a minha sina é tentar mudar a tua. Eu podia mesmo por aqui que a gente tinha tudo pra dar certo, mas, veja bem… A gente não tinha. Nada, nadica que pudesse dar pelo menos um pouco certinho. Até quem vê de longe, Stubb, conhece bem esse teu cheiro de cafajeste bem lavado. E eu sabia bem disso, acho que eu meio que tampei o nariz. Sabe? Você é meio tudo-pra-dar-errado e eu sou meio metódica. Eu quero tudo certinho e no lugar, e você estragou tudo.“Você tem belas coxas, Robin. É um belo mapa e um bom aroma pra seguir”. Você tem uma bela barba bem feita, Stubb, e um belo mapa e um aroma de cafajeste horrível pra seguir. Sabe aquele negócio de “só não deu certo nesse momento”? A gente não deu certo em nada.“Mudei de perfume, viu, Robin?” “Que interessante, mas a canalhice é sua essência.” “E as tuas coxas ainda são os meus mapas favoritos”. E o teu jeito de encrenca, Stubb, ainda é a coisa mais errada e péssima do mundo. Mas, infelizmente, todo yin tem um yang. E com a gente não foi nem um pouquinho diferente. Sabe o que é? A gente tinha tudo pra dar errado, e deu.”

Robin and Stubb.  (via florindo-me)
“Você mora mais na minha mente do que na tua própria casa.”

Bruno Ribas. (via readmitir)
“Apresso-me a rir de tudo, com medo de ser obrigado a chorar.”

Pierre Augustin Caron de Beaumarchais  (via segredou)